segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Pratique o desapego

Eu hoje joguei tanta coisa fora
Eu vi o meu passado passar por mim
Cartas e fotografias gente que foi embora
A casa fica bem melhor assim
(Tendo a lua- Paralamas do Sucesso)


Nada melhor do que arrumar as coisas no final do ano: jogar fora os papéis velhos, limpar os armários, se livrar das roupas que saíram de moda... Minha mãe sempre disse que devemos nos livrar das coisas velhas para dar espaço para as novas. 
Enquanto eu separava as anotações velhas dos texto, enquanto eu tirava as roupas para organizá-las novamente, enquanto eu jogava o lixo fora... fiquei pensando em como poderia ser bom se as regras para o mundo material se aplicassem ao mundo sentimental. 
Quero dizer: e se pudéssemos trocar o que sentimos? Você gosta de alguém, aí tira esse alguém da sua vida para ter espaço para alguém novo. Acho prático, pouparia você daqueles momentos nostálgicos quando você escuta uma música, assiste um filme, sente um cheiro, come alguma coisa, olha uma formiga andando... Quando nós queremos esquecer, tudo nos faz lembrar.
Infelizmente (ou felizmente) a vida não é assim, não do jeito que nós gostaríamos que fosse. Não dá para jogar nossos sentimentos no lixo, como fazemos com as coisas velhas. O jeito é encarar, por mais que machuque e por mais que seja difícil, um dia esquecemos. Não esquecemos completamente, mas o sentimento que parecia ser eterno vai desaparecendo aos poucos e o que sobram são os bons momentos.
Bons momentos...Me pego fazendo a retrospectiva do ano, ainda enquanto confiro se o que sobrou está no lugar. O que eu aprendi? Quanto eu cresci? O que eu conquistei? Honestamente, um bocado de coisa. Acho que cada um deveria fazer um balanço de sua vida na última semana do ano. Assim, só pra checar se as metas foram alcançadas, os erros foram demais, se as mágoas foram superadas...Do mesmo jeito que os sentimentos poderiam ser trocados, acho que eles deveriam ter prazo de validade: ninguém deveria começar o ano-novo com sentimentos ruins, eles deveriam ser automaticamente excluídos de nossos corações à meia-noite do novo ano!
Pena que, como eu já disse, a vida não é assim. Não podemos jogar fora nossos sentimentos, entretanto, podemos nos desapegar deles, aos poucos, da mesma maneira que podemos nos desapegar das coisas que não usamos mais.
O que nos resta? Respirar fundo e começar de novo. Fácil assim? Não, não é fácil, mas é um começo. E, por acaso, começar de novo não é o que a gente faz todos os anos?

2 comentários:

Amanda Campelo disse...

Acho que vou fazer um balanço desse ano tb :)

Fernandz disse...

Acho que preciso tentar aprender isso pela 8321983981 vez xD